quinta-feira, Setembro 13, 2007

Sinceramente acreditava que nada mais me poderia acontecer que, apesar da minha tenra idade, aquilo que encontraria pelos caminhos da vida não me pasmariam, que preservaria a minha postura de menina bem comportada, que segue os parâmetros normais da sociedade - as regras de bom senso...

Ainda pensei em escrever um livro, muitas das minhas vivências pessoais e profissionais tinham um tanto ou quanto de surrealismo, poderia ter dado um best-seller!! Porque afinal, tantos são os “escritores” que publicam histórias das suas vidas e vendem resmas daquelas coisas a que chamam livros…

Mas voltando à minha surrealidade, a verdade é que me surpreendi a mim mesma. Enveredei por um trilho incógnito, ultrapassei algumas concepções definidas interiormente, superei grandes e volumosas resistências, respirei fundo uma série de vezes para não explodir em obscenidades ou em lágrimas… Tudo por uma causa maior… O amor!

Aquela coisa a que eu tinha suplicado que jamais se voltasse a aproximar de mim… Aquele sentimento que todos desejam sentir, contudo quando se torna sinuoso, querem distância e imploram que cesse velozmente.

Ainda tentei fugir dele, mas alguém lá em cima não atendia às minhas preces…

Para que fique registado e para que não comecem já a imaginar finais trágicos: não estou arrependida! Estou até bastante agradecida ao anjinho que se atulhou em trabalho!

Se disser que a minha vida está perfeita, estaria a mentir. Ainda me falta ganhar o euromilhões para pagar a minha futura casa! Porém, mesmo sem muitos tostões, estou muito, muito feliz… E, desculpa lá anjinho, a felicidade não advém só do teu esforço, mas principalmente de um homem que conseguiu quebrar o feitiço e que com muita paciência tem conseguido domar esta Deusa…

A ele sim, tenho que condecorar a perseverança, a disponibilidade, a paciência, a amizade, o companheirismo, o respeito e sobretudo o amor e carinho dedicados. Novos trilhos se aproximam para ambos, muitos dos quais partilharemos…

Para terminar tenho de referir que este mês de afastamento do blog não foi propositado, apenas imprevisto… No entanto, pressinto que a futura ausência será intencional…

Esta página nasceu com um único objectivo, como professora diria: uma competência a curto prazo - servir de diário à minha triste e pavorosa situação sentimental. E passados quase dois anos, visualizando o presente, o objectivo perdeu o sentido, já não é triste e muito menos pavoroso o meu estado emocional. Além disso, deixou de ser um diário mas um sítio onde a minha vida é exposta.

Disto isto e aliado ao facto de ir ter menos tempo para me dedicar a textos e a constatações complexas – Despeço-me!

Sem agradecimentos porque as pessoas a quem eu devo gratidão, sabem…

quinta-feira, Agosto 02, 2007

Fumo

Longe de ti são ermos os caminhos,
Longe de ti não há luar nem rosas,
Longe de ti há noites silenciosas,
Há dias sem calor, beirais sem ninhos!
[...]
Florbela Espanca 

segunda-feira, Julho 23, 2007

Porquê o amor?

Perguntas-me porquê?

Porque te amo?

Porque é que o vento se agita?

Porque é que os rios correm para o mar?

Porque é que o Verão chega depois da Primavera?

Porque é que o Sol brilha no céu?

Porque é que cai a chuva no Inverno?

Porque é que brilham as estrelas?

Porque é que o mundo gira?

Porque existe a natureza?

Porquê?

O amor não se explica!

O amor acontece!

E é só!

Uma dor imensa no peito!

Como dizia o poeta:

Estou bem onde não estou!

Porque só quero ir onde não vou!

Amo-te, porque te amo!

Porque fazes parte de mim!

Porque algo em ti me tocou!

E me faz falta!

Estou mutilada na alma!

O coração está incompleto!

Algo em mim está vazio…

Sem ti!

Noel Santa Rosa

sábado, Julho 21, 2007

Quando eu pensava que já tinha visto um pouco de tudo!

Numa das minhas pesquisas tontas(Entenda-se por pesquisas tontas, não ter nada em concreto para pesquisar, apenas e somente a vontade de navegar e conhecer mais) pela web em que procura imagens de telas, deparei-me com o trabalho de um artista no mínimo especial.

Em principio foi o nome que me suscitou curiosidade Pricasso, inclusive, julguei tratar-se de um erro gráfico, mas não o artista chama-se Tim Patch e pelos visto adoptou este curioso nome artístico que nos faz lembrar um grande pintor.


E assim foi, clic aqui, follow link ali e deparei com algumas telas entre as quais esta que se segue intitulada de Lady in White Hat.


No entanto, não foi esta tela que me causou espanto, mas sim a técnica do artista em questão. A próxima explica tudo e para que não hajam dúvidas a imagem mostra o artista durante o processo criativo da tela Lady in White Hat.


Sim, foi aqui que eu pensei afinal ainda não vi um pouco de tudo!

Então não é que o rapaz usa o dito cujo para pintar... por amor de Deus faz favor de arranjarem uma namorada jeitosa ao moço, e depressa antes que ele dê cabo do pincel todo ...

Ainda dizem que não há arte do C******!



Para quem é tão ou mais curioso que eu, e quer ver as outras telas:

http://www.penileart.com/Commissions.htm




terça-feira, Julho 17, 2007

O Abrunhosa é que tem razão!

Montes, e montes, melhor dizer montanhas de tempo sem escrever... cordilheiras de Alpes ... sem escrever e de repente oiço uma música e plim, tenho um belo motivo para blogar.

Trabalhava eu ao som do musicol, Pedro Abrunhosa era o meu "muso" inspirador, se bem que aquela parte do "ralatório" nem com um shot de vodka melão lá vai, quando começo a ouvir do albúm viagens a linda faixa 7 "Fantasia".

Agora pergunta os que lêem "Mas Pedro Abrunhosa porquê?"
Ora porque no meu último rendez vous com a Deusa Medusa, a dita cuja tinha um CD do cantor em mãos e eu cá fiquei com vontade de ouvir o senhor a cantar aquelas musiquinhas mais antigas (ainda me lembro de quando torci o pé a correr para apanhar o BUS só para ir ao seu concerto).


Entretanto vem a parte interessante... No rendez vous, não! porque os pais da Deusa estavam de olho, mas noutras ocasiões tenho presenciado o clima entre a Deusa e o seu mais-que-tudo, o seu Deus Latino, o senhor do seu pedaço, o seu futuro cônsul, e ao ouvir esta música pensei:
"É assim que eles andam, ai é, é"

Fantasia

Tudo se passa em segredo
numa praia à beira mar,
sempre em noites de céu negro,
sem estrelas nem luar.
O cenário é um velho hotel,
sem janelas para a rua,
sinto-me à flor da pele,
numa guerra sem quartel,
quando te pões toda nua.

Ah! Se chego ao pé de ti,
deixo logo de pensar.
Ando em louco frenesim,
só te quero devorar...
Ah! Se chego ao pé de ti.

Do sofá à alcatifa,
o teu corpo vai e vem.
Fazes-me sentir califa
no nirvana de um harém.
Enrolada nos lençóis
endoideces de prazer,
arrancas-te os caracóis,
dizes: "Já não posso mais",
e não paras de gemer.

Refrão

Com um gesto sedutor
mergulhas vezes sem fim,
gritas de desejo e dor,
nada pode ser melhor,
queres ficar sempre assim.
Pões-me a cabeça a ferver,
mais em brasa que um tição,
chegas-me a fazer perder,
(isto assim não pode ser)
toda a réstia de razão.

Refrão

Viagens, Lp 1994
(Pedro Abrunhosa|Pedro Abrunhosa)

sexta-feira, Julho 13, 2007

Eu sou...


Uma rosa envolta de delicadas pétalas, enfeitada com folhas de um verde intenso de alegria e adornada por exíguos e naturais espinhos que se desviam com temor de te ferir.



Ali nasce, naquela porção de terra que cuidas com desmedida ternura, onde brotam as mais lindas espécies de flores de todas as pigmentações, estampadas pelo arco-íris.



No horizonte reduz-se a um quadro singular, de uma perfeição inigualável; perto revela ser o teu espécime predilecto, o único por quem o teu sorriso irrompe, por quem na imensidão do mundo tu procuravas…

quarta-feira, Julho 11, 2007


Em qualquer lado, o coração se desenha, num livro que leio, num pedaço de papel que apanho, num quadro que observo, numa parede suja pelo tempo… O coração do desejo, o coração do amor ou o coração órgão que nos suporta?

Foto: Ilona Wellmann